Skip to content

{ Author Archives }

Feliz Páscoa

Tagged

FREDERICO GARCIA LORCA – ANTOLOGIA POÉTICA – Selección, presentación y notas: Andrew A. Anderson – Editado por Disputación de Granada

Quando viajo, além de comer e beber os produtos locais, procuro ler algum autor local… assim li Jorge Luis Borges e Leopoldo Marechal na Argentina, Felisberto Hernandez no Uruguai, Fernando Pessoa e Almada Negreiros em Portugal, Bolaño e Neruda no Chile, Dyonelio Machado no Rio Grande do Sul, etc…

Assim sendo, em minha recente viagem ao sul da Espanha, procurei ler um autor andaluz, no caso Frederico Garcia Lorca… No caso, conhecia muito pouco: um poema dele citado em “Trilogía de la Guerra” de Agustin Fernández Mallo (*), o Garcia Lorca como personagem do livro “Los Ingrávidos” de Valeria Luiselli (**) e as diversas homenagens prestadas a ele pelos poetas daqui, como Hilda Hilst, Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Vinicius de Moraes, etc…

Havia comprado esta antologia há dez anos, quando estive em Granada, e só li agora… não sabia o que estava perdendo… ela é muito bem organizada, mostrando os diversos aspectos da multifacetada poesia de Garcia Lorca: desde criações da juventude aos poemas del cante jondo (dedicados ao flamenco), do cancionero gitano aos poemas de Nova York (onde Lorca estudou na Universidade de Columbia), de sonetos até poemas em prosa e até mesmo poemas no dialeto galego.

Na poesia de Frederico Garcia Lorca, tal variedade de significantes (formas de poesia) dá expressão a uma outra variedade de significados (temas): do mar à terra seca, de estórias bíblicas a unicórnios e cíclopes, do entardecer em Nova York à noite na Andaluzia, do lamento de um pé de laranja seco às meditações e alegorias da água, da criança qua acaba de nascer ao noturno do adolescente morto, de poemas festivos às poesias de caráter social, como “Degollación de Los Inocentes” (que além de profetizar de certa forma seu assassinato pelas forças de Franco, permanence tremendamente atual, vide os genocídios dos palestinos em Gaza ou da população negra nas periferias de Pindorama).

Na verdade esta antolgia é só a ponta de um iceberg, pois como define seu organizador, Andrew A. Anderson: “ a obra lorquiana é como uma flor maravilhosa que não para de se abrir e que nunca fica murcha, e o leitor apaixonado é como um explorador deslumbrado que não acabará nunca de descobrir terras incógnitas com raras e novas belezas e verdades insuspeitadas.”

Aqui vão duas pequenas citações, a primeira é um fragmento de um poema juvenil, onde as rimas internas llanto/santo e melancolía/preludia/melodía/Andalucía cria um ritmo musical preludiado por uma orquestra muda:

 “Gran misticismo de luz y llanto.

Silencio santo. Melancolía.

La muda orquesta de la penumbra

preludia grave su melodía. 

Luna en los pueblos de Andalucía.”

O segunda citação são somente dois versos de um poema nova-iorquino, onde Lorca sintetiza todo um tratado de filosofia shopenhaueriana:

“No preguntarme nada. He visto que las cosas

cuando buscan su curso encuentran su vacio.”

(*) O La Aurora

(**) Aqui “Los Ingrávidos” (Os que não tem peso) foi publicado como “Rostos na Multidão” pela Editora Alfaguara – tradução de Maria Alzira Brum Lemos.

Tagged

QUEM HÁ DE DIZER

Tagged

THE MAIDS OF CADIZ

THE MAIDS OF CADIZ

Uma resposta para “THE MAIDS OF CADIZ”

  1. Avatar de José Geraldo
    José Geraldo

    Citação de uma música de Miles Davis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged

No sul da Espanha temos vários botecos clássicos… um destes é a Casa Palacios em Sevilha, fundada em 1929 e frequentada predominantemente por moradora locais.

Tagged

Plaza de España, Sevilha

Tagged

Plaza de España, Cádiz

Tagged

Passeio público, Cádiz

Tagged

Castillo de Santa Catalina, Cádiz

Tagged

Castillo de San Sebastián, Cádiz

Tagged