Skip to content

NARRATIVAS INQUIETAS – Joseph Conrad – Editora Perspectiva – Tradução: Alcebiades Diniz Miguel

Este livro apresenta duas faces menos conhecidas de Conrad: contista e dramaturgo.

Vamos começar pela última, Joseph Conrad dramaturgo… na verdade o escritor nunca escreveu diretamente para o teatro… o que fez foram adaptações de seus contos para as artes cênicas… neste volume temos dois exemplos: “Anne Gargalhada” e “Mais Um Dia”, a última uma transcrição do conto “Amanhã” presente na mesma edição… é muito interessante ler o conto – que é uma visão alternativa da estória bíblica do filho pródigo – e sua adapatação para o teatro depois.

Com relação ao Joseph Conrad contista, temos que observar que ao contrário de contistas famosos com Poe, Borges ou Cortázar que fazem contos curtos  com um climax  que vai se amenizando, os contos de Conrad são longos a tensões vão se desenvolvendo ao longo da narrativa.

Uma das faces de Conrad que mais aprecio é a sua visão geopolítica, … Neste aspecto “Il Conde: Uma Narrativa Patética”, “Um Anarquista: Um Conto de Desespero”, e “Karain – Reminiscências” são exemplares… o primeiro profetizando o surgimento da máfia, o segundo mostrando o trabalho escravo na Guiana Francesa e os movimentos anarquistas franceses, e o terceiro explorando as contradições entre a cultura do colonizador e loucura dos povos primivos, e por falar em loucura, esta permeia outros dois contos: “Os Idiotas” e “Amanhã”…

Porém na minha humilde opinião “O Retorno” é o ponto máximo do livro… aqui nada de mares, rios e florestas tropicais conradianas, aqui o conto se passa em uma residência londrina e o enredo é uma simples briga de casal… nada de ação… aqui o crescimento da tensão narrativa é estruturado por uma sucessão de silêncios e ruídos, de claros e escuros, de rostos mutiplicados por espelhos, enfim, cinema na forma de literatura… e tanto assim que foi adaptado para a grande arte no filme Gabrielle de Patrice Chéreau… Agora, nesta questão de rostos mutiplicados por espelhos, fico pensando… será que este aspecto do conto não influenciou aquele pequeno pedaço do capítulo 12 do Ulisses de James Joyce, onde o enlutado jovem senhor Dignam para ao observer um cartaz de boxe em uma vitrine onde “dos espelhos dois jovens senhores Dignam de luto observavam silenciosamente embasbacados…”? Ou voltando a falar de cinema: será que este truque de imagens refletidas em espelhos presente neste conto de Conrad, não influenciou a cena final do filme “A Dama de Shangai” de Orson Welles?  

Tagged

O LIVRO DAS ILUSÕES

Tagged

A COLOMBINA AZUL

Tagged

QUE SONHOS SÃO OS MEUS

Tagged

HARMONIAS SENTIMENTAIS

Tagged

HOMENAGEM A PAULO CÉSAR PEREIO

Existe uma teoria que diz que existem atores que desempenham com o olhar e atores que desempenham com a voz… Pereio está na última categoria.. Para mim, uma das grandes atuações do cinema brasileiro e mesmo mundial, é a cena do filme “Bang Bang” de Andrea Tonacci, onde Pereio vestindo uma máscara de macaco canta “Eu sonhei Que Tu Estavas Tão Linda” de Lamartine Babo enquanto se barbeia em frente a um espelho… Confiram…

Tagged ,

KADOSH

Tagged

FREYA DAS SETE ILHAS – Joseph Conrad – Grua Livros – Tradução: Eduardo Marks de Marques

Aprofundando a metáfora de Cortázar refente ao boxe e à literatura em prosa, os contos seriam como lutas de boxe amador, somente três assaltos, onde os lutadores tem que golpear o máximo que puderem em pouco tempo; as novelas seriam lutas de oito assaltos; enquanto que os romances seriam lutas de 12 assaltos, ou mesmo aquelas de 15 assaltos que eram travadas nos anos 70 e que foram suprimidas (para preservar a integridade física dos lutadores).

A novela por ser um gênero intermediário, costuma ser posta de lado pela crítica, apesar de existirem grandes obras do gênero como “Metamorfose” de Franz Kafka, “Os Mortos” de James Joyce, “O Alienista” de Machado de Assis,“Baterbly” e “Benito Cereno” de Herman Mellville ou “Noturno Indiano” de Antonio Tabucchi.

Joseph Conrad, que dominava tanto os romances como os contos, também se sai bem em novelas, como “O Duelo” e “Freya das Sete Ilhas”, embora estas duas (as únicas que eu li) não atinjam a grandeza de seu mais famoso romance, nem possam ser elencadas como os exemplos de gênero literário retromencionados.

Tal qual seus famosos romances “Lord Jim” ou “Coração das Trevas”, “Freya das Sete Ilhas” é narrada por um contador de estórias, que se recorda de um velho dinamarquês chamado Nielsen que se estabelece em uma pequena ilha perto de Bangka na Indonésia, onde passa a ser chamado de Nelson e vive em compania de sua filha, Freya, uma linda loura que passava horas tocando um piano que ele havia trazido de Cingapura… Nelson recebe constantemente a visita de um jovem comerciante inglês, Jasper Allen e de um ofical holandês, Heemskirk, ambos interessados em sua filha… Mas é em torno de um outro personagem que a estória se desenvolve… um personagem inanimado… é o barco “Bonito” que pertence a Jasper Allen… Através dele que Conrad desenvolve seu pessimismo fatalista, que sem deixar de lado a geopolítica da época, mergulha nos abismos da maldade humana… 

Embora não seja uma obra essencial como mencionado no penúltimo parágrafo, “Freya das Sete Ilhas” não deixa de ser uma narrativa dos mares tropicais escrita por um autor citado por Francis Ford Coppola ou por T.S. Eliot…

Tagged

IMPROVED WHISKEY COCKTAIL

1 dose de rye whiskey

1 dose de bourbon whiskey

1 colher de café de licor marasquino

2 gotas de Angostura

Mexa todos os ingredientes em uma
coqueteleira com gelo. Despeje em um copo old-fashioned com gelo e decore com uma casca de limão siciliano.

Tagged

REPARE BEM QUE TODA VEZ QUE ELA FALA ILUMINA MAIS A SALA DO QUE A LUZ DO REFLETOR

Tagged